Conheça os benefícios e desafios dos hubs de inovação pela experiência do Renault Lab
logo

Somos um hub de inovação para a indústria.

Apoiamos as empresas e os empreendedores em todo o processo de inovação, dos desafios às soluções.

Facebook

2 days ago

FindesLab

Um estudo da Associação Brasileira de Empresas de Tratamento de Resíduos e Efluentes (Abetre) mostrou que o Brasil produz cerca de 33 milhões de toneladas de resíduos industriais. A entidade acredita que 25 milhões não recebem o descarte correto.

Com o objetivo de mudar esse quadro, o Instituto Senai de Tecnologia (IST) em Metalmecânica, localizado em Maringá, desenvolveu uma solução para dar o destino certo aos resíduos gerados pelo processo de usinagem, dentre eles estão os cavacos e pedaços de aço.

O protótipo criado pela equipe do IST também permite que o calor gerado na atividade seja usado para aquecer até 500 litros de água a custo zero e sem emissão de carbono. Empresas do Canadá e dos Estados Unidos demonstraram interesse nesse projeto do @senaipr
... See MoreSee Less

View on Facebook

Conheça os benefícios e desafios dos hubs de inovação pela experiência do Renault Lab

Conheça os benefícios e desafios dos hubs de inovação pela experiência do Renault Lab

Alexandre Grenteski, da Renault, compartilha a experiência que obteve ao implementar a inovação aberta na empresa e liderar um hub de inovação

Em busca das oportunidades que um ecossistema de inovação bem estruturado pode trazer, como acesso a financiamentos, a parcerias, a investimentos e a serviços, os hubs de inovação tem surgido em vários países e vem ganhando força também no Brasil. São espaços como o do Findeslab, idealizados para serem o ponto focal para as empresas e empreendedores que buscam desenvolver ideias e soluções para o seu negócio.
Entre eles está o Renault Lab, inaugurado em abril deste ano pela montadora em parceria com o Cubo Itaú, tido como o maior hub de fomento ao empreendedorismo tecnológico da América Latina.

 

A experiência da montadora em criar um espaço de estímulo a transformação cultural e digital das grandes empresas, além da criação de conexões que viabilizem desenvolver projetos inovadores de mobilidade sustentável e para a fábrica 4.0 foi compartilhada, no Open Innovation BR edição especial de lançamento do Findeslab.

 

Na ocasião, Alexandre Grenteski, líder de inovação aberta na aliança Renault-Nissan-Mitsubishi para a América Latina e do Renault Lab conversou com o site e falou um pouco sobre como foi esse processo de adoção de práticas de inovação aberta em uma empresa centenária.

 

Compartilhou ainda as lições aprendidas nessa trajetória. Confira!

 

  • Como foi esse processo de implementação da inovação aberta na Renault?

 

Existem dois momentos nessa história. No primeiro, a TI (departamento de tecnologia da informação) da Renault do Brasil criou um programa de inovação há cinco anos. Contamos com apoio de fora, alguém que veio com um mindset totalmente diferente para nos ajudar a criar um processo de inovação. E ele começou de forma simples: uma plataforma para as pessoas darem ideia.

 

No segundo ano, analisamos e começamos a implementar essas ideias, tínhamos várias muito legais. Depois, o foco foi em inovação do negócio. Já no quarto ano, substituímos tudo por um conceito de POC – prova de conceito, onde levamos para as áreas inovações que percebíamos no mercado com alguma autonomia. Neste último ano, ainda em processo de evolução, tentamos levar a POC para um processo de transformação digital mais intenso. Essa uma linha do tempo que explica mais ou menos como desenvolvemos a transformação digital e inovação dentro de T.I.

 

Mas cada área criou o seu processo de inovação. Temos programas no RH, na Engenharia. E vamos evoluir ainda para um processo de convergência. Mas hoje as coisas ganharam agilidade quando tratadas isoladamente.

 

E tem mais. Há três anos, eu era o secretário técnico do CEO da Latino América. E ele me dava autonomia para buscar esse tipo de inovação e acabei formando uma rede interessante. Essa atividade começou esse ano, mas já está trazendo bons resultados para gente.

 

  • Qual foi o maior desafio que vocês enfrentaram?

 

Acho que o grande desafio, não só na Renault, mas sempre que falamos em introdução de inovação aberta, é quebrar a barreira do conceito de inovação fechada.

 

O que a gente cria de inovação dentro das nossas áreas gera um diferencial competitivo e o que a gente cria junto com um outro parceiro, mas em um cenário de inovação fechada, geralmente gera uma patente, cria uma diferenciação de mercado que é exclusiva nossa. E é essa exclusividade que faz com que surjam novas fontes, novas rendas.

 

A inovação aberta é um cocriação. É quando a gente fala para o mundo: “gente, temos problemas. Me ajudem a resolver”. Essa é a parte mais difícil: fazer com que as pessoas considerem dentro do seu leque de possibilidades diárias, que olhar para fora é uma opção.

 

  • Como o Renault Lab tem contribuído para a montadora? O que mudou?

 

Bem, o Renault Lab é um projeto de presença. É um espaço que criamos para dizer para o mundo “nós temos uma porta aberta, nós estamos abertos, então venham e conversem conosco”. Ele é também uma janela pela qual dizemos para as pessoas de dentro da corporação “é aqui que vamos colocar nossos desafios para serem resolvidos”.

 

É um projeto onde tentamos levar o máximo de vezes, o máximo de tempo e o máximo de conexões possíveis, de pessoas de dentro da corporação e de fora dela.

 

O que queremos com o Renault Lab é criar conexões perenes e que realmente resolvam problemas das nossas vidas, em um ambiente minimamente controlado, guiado e orientado.

 

  • Na sua opinião, como espaços como o Renault Lab e, aqui no Espírito Santo o Findeslab, contribuem para as empresas, para a sociedade e a economia dos estados onde estão inseridos?

 

O Renaut Lab e o Findeslab são vetores. Não são esses locais em si que vão gerar o resultado. Isso virá com as pessoas e as empresas que vem até eles, as conexões são geradas nesses locais. E, assim, conseguimos gerar valores e soluções que atinjam a vida da sociedade, do estado e do país.

  • Confira a análise de Alexandre Grenteski:

 

 

 

Sem comentários

Postar um comentário

Comentar
Nome
Email
Website